Prático e versátil, é o TRX treinamento suspenso conquista adeptos dentro e fora das academias

Pratico Versatil Treinamento Suspenso Conquista Adeptos Dentro Fora Das Academias
Prático e versátil, é o TRX treinamento suspenso conquista adeptos dentro e fora das academias.

No final da década de 1990 surgiu um treinamento funcional que veio para revolucionar a vida de muito profissional de educação física: é o TRX®, treinamento suspenso que utiliza fitas que podem ser presas em qualquer local para realizar exercícios de força, flexibilidade, equilíbrio, estabilidade do core etc.

Desenvolvido por militares norte-americanos que precisam se exercitar em ambientes restritos, como o interior de um submarino, por exemplo, e aprimorado por uma empresa de fitness do mesmo país, o TRX® tem conquistado cada vez mais adeptos, principalmente entre os personal trainers, pois é muito fácil de ser carregado, tem baixo custo e, versátil, possibilita um treino completo até mesmo em ambientes como praia, praça, parques etc.

Treinamento suspenso melhora performance e resistência

Fisioterapeuta especializado em força e condicionamento, Pete Holman é o diretor de RIP Training da TRX® nos Estados Unidos e diz que embora o treino suspenso tenha sido desenvolvido por Randy Hetrick, militar de elite das forças armadas americanas para manter o condicionamento durante as missões, ele percebeu que os exercícios também podem ser usados para melhorar a saúde e o condicionamento de pessoas comuns ou até mesmo machucadas. “Da mesma forma, criei o Rip Training enquanto eu trabalhava com atletas de X-Games em Aspen para melhorar a força do core enquanto saltos e corridas de snow mobile, mas também percebi, como fisioterapeuta, que o treino funcional é uma ferramenta ótima para a reabilitação de joelho, ombro e costas. Assim, o TRX® é ótimo para todas as escalas de condicionamento, gente que tem como objetivo comum melhora a saúde e o físico como um todo, a performance e a resistência”, fala.

Treinamento suspenso tem contraindicação?

Marcio Fontana, personal trainer especializado em treinamento funcional, conta que não há contraindicação no treinamento de suspensão, exceto os casos típicos de pessoas com limitações físicas que não poderiam praticar outro tipo de atividade. Pessoas que procuram o treinamento funcional, que não gostam muito da tradicional musculação e adoram novidades se encontram entre aquelas que optam pelo TRX®.

“A maioria dos esportes inclusive usa o treinamento suspenso na preparação física. MMA, futebol americano, futebol; até as forças armadas – em especial nos Estados Unidos – usam muito porque é de fácil logística e pode treinar em qualquer lugar”, conta o personal trainer.

Thales Martins, master trainer do TRX no Brasil, conta que a técnica pode ser aplicada em qualquer esporte por justamente trabalhar todas as capacidades físicas. “Um atleta de tênis, além de ter músculos fortes e um bom condicionamento físico, precisa trabalhar movimentos durante uma partida”, explica, acrescentando que “para isso, o trabalho em suspensão é excelente porque fortalece a musculatura, trabalha rotações e utiliza o core o tempo todo”.

O diretor norte-americano cita ainda times de futebol como Liverpool e Manchester United, times de basquete como Miami Heat e L.A. Lakers e estrelas do UFC como Frankie Edgar e Brian Stann como praticantes do treino funcional suspenso. Dentre as celebridades que se renderam ao TRX® estão J.Lo, Bar Rafaeli, Juliana Paes, Paloma Bernardi, Janaina Jacobina e Deborah Secco.

A profissional de Educação Física Alessandra Dianin, professora da academia Bio Ritmo lembra que pessoas com problemas nos membros superiores podem ter alguma dificuldade para a realização dos movimentos, “mesmo assim, dependendo da lesão é possível fazer o exercício. Só não pode é esquecer de consultar um médico”.

Vantagens do treinamento suspenso

Alessandra conta que o treino suspenso permite liberdade na hora de escolher o local de treinamento, infindáveis combinações de exercícios, ajuda na motivação do aluno e o fato de poder ser um treino puxado – se o profissional souber montá-lo!

“Manter a mobilidade corporal e fazê-la bem é o objetivo número um desse tipo de treino funcional e uma vez que ele é alcançado, conseguimos expor o corpo a algumas melhorias saudáveis, como aumento da massa muscular, da força do core e da flexibilidade. Por usar apenas um ponto de ancoragem, o exercício traz estabilidade suficiente para treinar hipertrofia, mas instabilidade ideal também para desafiar o equilíbrio corporal e o desenvolvimento do core em todos os exercícios”, afirma Holman.

No TRX Rip Training, que é complementar ao treino suspenso, usa-se a “assimetria”, ou seja, assim que segura a fita de resistência, ela tenta rotacioná-lo de forma a mexer com o equilíbrio, o que força todos os músculos do corpo a trabalharem para garantir a postura e o equilíbrios corretos do corpo. “A rotação é comum nos movimentos do dia a dia, mas na academia costumamos fazer atividades no plano linear. Assim, um treino como esse melhora a capacidade de controlar as forças rotacionais para ajudar a estabilizar a coluna. São atividades físicas que tonificam e fortalecem os músculos do core, contribuindo para um físico atlético também”, cita Holman.

A empresa TRX® Training Brasil, que vende os equipamentos aqui no Brasil informa ainda que pessoas de todos os níveis de condicionamento – do sedentário ao atleta profissional que precisa de máximo desempenho – conseguem tirar proveito dos acessórios de treino suspenso. Além disso, eles pesam menos de 1 kg, o que facilita seu transporte para qualquer lugar, incluindo viagens.

Se ele se mostra vantajoso para os personal trainers, não deixa de ser atrativo também para as academias, já que pode ser usado em aulas em grupo, montando ciclos, exercícios no meio do treino, aulas exclusivas da modalidade etc. “Pode ser agregado dentro da musculação paralelamente aos treinos isolados compondo a série e também pode ser oferecido workouts curtos e express na musculação”, indica Thales.

Treino suspenso: intensidade controlada

O grande “segredo” do treino suspenso é o uso de tiras de náilon para criar resistência contra a gravidade. “Apesar de trabalhar alguns exercícios de isolamento muscular, que substituiriam a musculação, pelo fato de o aluno estar em suspensão acaba exigindo mais da musculatura estabilizadora, ou seja, do corpo inteiro. Também podemos tornar o treino mais ou menos intenso de acordo com a inclinação do corpo: quanto mais ereto, menos intenso e quanto mais paralelo ao chão, maior a intensidade e o gasto calórico do treinamento suspenso”, explica Fontana.

“Usamos o princípio do pêndulo. Se formos pensar como professores, é uma questão de física: calcular a inclinação e o nível de dificuldade. Por isso todo mundo pode fazer! Mexer com a velocidade de execução também pode facilitar ou dificultar o treinamento funcional”, conta Alessandra.

Mais comumente usado para a hipertrofia e resistência, os equipamentos de TRX® possibilitam a realização de centenas de exercícios desafiadores, o que acaba tornando a aula animada e instigante para o aluno. Além disso o treinamento de suspensão pode ser periodizado para o desenvolvimento constante do aluno dentro de um plano de treino e também pode ser usado na reabilitação já que a intensidade pode ser modificada: “na recuperação de uma cirurgia nas costas, por exemplo, os músculos estão fracos e não contraem na sequência correta para dar sustentação à coluna. O fato de trabalhar com tiras suspensas permite que consigamos assisti-lo no equilíbrio até que ele consiga tolerar movimentos lineares”, ensina o fisioterapeuta norte-americano.

A TRX Training informa, por meio de seu website, que o peso máximo recomendado para o uso do equipamento de treinamento funcional é de 158,75kg. Assim, recomenda-se cautela no uso em alunos obesos e, em caso de dúvidas, pode-se consultar a empresa para saber como proceder.

Profissional de Educação Física deve estudar sobre treinamento suspenso

Para poder trabalhar com treinamento suspenso é importante que o profissional de educação física busque aprender mais sobre o assunto. A TRX® Training Brasil oferece cursos de qualificação profissional que abordam a técnica, as posturas corretas, os riscos, a forma de ancoragem etc. A agenda e os valores podem ser encontrados diretamente no site da empresa. Holman conta que “os cursos aprofundam o conhecimento e a filosofia do treinamento suspenso, expandindo a seleção de exercícios e maximizando resultados”.

“O professor precisa conhecer bem os exercícios e treinar um pouco para sentir a diferença do treinamento. Não é melhor nem pior. Temos que usar todas as estratégias a nosso favor e isso vai depender do seu conhecimento e do objetivo do aluno”, complementa Alessandra.

“Por não conhecer como a ferramenta funciona, vejo muita gente cometendo erros por aí. Essa questão do corpo inclinado exige uma maior consciência corporal e tem gente que faz o exercício com a técnica errada, sem contrair a musculatura do core, deixando a coluna arquear excessivamente ou fazendo malabarismos desnecessários. Como exige muito da musculatura estabilizadora, se curvar o corpo de forma equivocada, com o tempo pode ser lesivo”, aponta Fontana. Holman concorda e lembra que constantemente vê pessoas flexionando, extendendo ou rotacionando a coluna durante os exercícios, sendo que a capacidade de mantê-la “neutra” ou na posição correta é essencial para desenvolver a força e manter a saúde desta parte tão delicada do corpo.

Sabendo usar, o treinamento funcional por suspensão pode ser usado inclusive com grupos, como circuitos, sendo que em cada etapa trabalha-se membro superior ou inferior, empurrar, puxar etc. “A maioria dos exercícios que você pode fazer em uma academia com máquina, pode fazer com o treino funcional. Consegue trabalhar o corpo inteiro só com as fitas”, diz Marcio

 

CADASTRE SUA ACADEMIA NO BODY TICKET, E OBTENHA SUAS VENDAS ON-LINE. TUDO MUITO FÁCIL E SEGURO CONFIRA AQUI.

CADASTRE COMO ALUNO E OBTENHA DESCONTOS E VANTAGENS

ESCOLHA SUA ACADEMIA MAIS PRÓXIMA E ADQUIRE SUA MENSALIDADE PELO MENOR PREÇO EM NOSSO PORTAL BODY TICKET

Step class for gym

Step class for gym group of young women in fitness class do step aerobics. Group of people making exercises. Girls at step. Healthy lifestyle, training, sport, gym studio. Girls in fitness club, leg kicks.

O step é uma das modalidades da ginástica mais antigas e populares nas academias. Envolve música e exercícios coreografados, o que se torna uma maneira divertida de ficar em forma. Um segmento que pode ser uma solução para aqueles que não querem manter uma vida sedentária, mas também não se adaptam a exercícios monótonos com séries repetitivas como os praticados nos aparelhos de musculação, por exemplo.

Alguns números mostram que essa atividade é mais eficaz e proporciona menos ricos de contusões se comparada com a ginástica aeróbica e com a corrida. Estudos do Colégio Americano de Medicina do Esporte mostraram os benefícios que as aulas de step podem trazer para uma pessoa. As pesquisas apontaram uma melhora de até 16% na aptidão cardiovascular, aumento médio de 13% no consumo de oxigênio e diminuição de 1,4% no porcentual de gordura num programa inicial de 12 semanas. O estudiosos lembram que para alcançar esses números é necessário uma frequência de duas vezes por semana.

Uma pessoa pode queimar até 700 calorias em uma aula. A atividade dura uma hora e é feita com exercícios coreografados. Os principais músculos trabalhados são panturrilhas, coxas e bumbum.

Como a atividade é feita com música e com coreografia, exige uma certa coordenação motora.
Quem não possui coordenação pode aprender as coreografias sem muita dificuldade. As aulas apenas não são indicadas para aqueles que possuem problemas graves nos joelhos e tornozelos, como rompimento de algum ligamento ou se tiver algum ligamento frouxo.

Apesar do step ser um exercício intenso e que traz uma série de benefícios e a perda de muitas calorias, ele não é uma atividade que se basta. A personal Maria Luiza explica que essa modalidade de ginástica trabalha mais as pernas e bumbum. Os membros superiores (braços, peito, costas) não são trabalhados com a mesma intensidade. As roupas indicadas para fazer as aulas são as de malha e o tênis precisa ter amortecedor.

Não é porque o step é uma atividade saudável e com riscos menores de contusões que você vai começar a fazê-lo sem nenhum cuidado. Para iniciar, evite os movimentos mais bruscos e prefira os steps mais baixos, entre 10 a 15 centímetros de altura. E é preciso o acompanhamento de um profissional. Cuidado também com os movimentos de giro, eles podem causar alguma contusão nos joelhos.

Onde tudo começou – Contraditório e curioso, o step surgiu graças a uma contusão. Em 1986 a professora Gim Miler sofreu uma lesão e foi recomendada pelo seu fisioterapeuta a ficar subindo e descendo um banquinho de madeira para reforçar os músculos da coxa. Essa atividade é similar a tarefa de subir e descer escadas. A professora achou entediante aquele sobe e desce e começou a combinar, por meio da sua criatividade, movimentos de braços com as pernas e fazer variações divertidas e interessantes.

A idéia de Gim Miler deu tão certo que três anos depois a Reebok aperfeiçoou os exercícios e lançou no mercado uma nova atividade. Os exercícios são até hoje requisitados nas academias porque são uma ótima atividade cardiovascular e ainda fortalecem os músculos desenvolvendo a coordenação motora, o reflexo, além de emagrecer.

O step vêm se aperfeiçoando e possui as mais variadas combinações com ginástica localizada, com street funk, com circuito e com pesinhos de mão. Tudo sempre no ritmo das músicas fazendo com que a aula fique divertida.

 

CADASTRE SUA ACADEMIA NO BODY TICKET, E OBTENHA SUAS VENDAS ON-LINE. TUDO MUITO FÁCIL E SEGURO CONFIRA AQUI.

CADASTRE COMO ALUNO E OBTENHA DESCONTOS E VANTAGENS

ESCOLHA SUA ACADEMIA MAIS PRÓXIMA E ADQUIRE SUA MENSALIDADE PELO MENOR PREÇO EM NOSSO PORTAL BODY TICKET

TRX Suspension Training

TRX Suspension Training

TRX Suspension Training, Young attractive woman does core abs oblique training with fitness straps in the gym’s studio.

TRX Suspension Training, apontado pelo American College of Sports Medicine (ACSM) como uma das tendências mais importantes do fitness há aproximadamente 6 anos consecutivos nos EUA, o Treinamento Funcional é um dos assuntos mais comentados nas academias brasileiras.

Já pensou em encarar uma atividade que permite exercitar vários músculos ao mesmo tempo? Esse é o TRX, sigla que significa treinamento em suspensão e que faz uso do próprio peso corporal! Seus benefícios são muitos, dentre eles o aumento da força e resistência muscular.

Que tal experimentar?

O que é o Suspension Training (Treinamento Suspenso)?

O Suspension Training consiste, como o próprio nome diz, em um treinamento em suspensão, ou seja, o corpo fica suspenso durante todo o tempo, no qual trabalha contra a gravidade e o peso do corpo se torna a resistência. Alguns exemplos de exercícios em suspensão são a escalada e as barras paralelas na ginástica olímpica.

Basicamente, o TRX é um sistema completo de treinamento que faz uso do peso corporal, permitindo centenas de exercícios. Esse sistema se distingue dos exercícios tradicionais pelo fato de que os pés ou as mãos dos usuários geralmente estão apoiados por um único ponto de âncora, enquanto a extremidade oposta do corpo está em contato com o solo. Com ele é possível graduar a intensidade do treino, usando para isso o peso corporal e a inclinação, e assim trabalhar componentes como força, resistência, coordenação, flexibilidade, potência e estabilidade do core.

Os exercícios no TRX utilizam a gravidade e o movimento para gerar respostas neuromusculares às mudanças na posição do corpo e vantagem mecânica. Você sente essas respostas como trabalho.

• Oferece um treino para o corpo inteiro, rápido e eficaz.

• Ajuda no recrutamento da musculatura do tronco e da pelve

• Aumenta a resistência muscular.

• Ajuda pessoas de TODOS os níveis de fitness (de atletas competitivos e recreativos).

Por que o TRX é usado para reabilitação:

1 – Reabilitação musculoesquelética segura e efetiva

O TRX pode ser usado tanto para prevenção quanto reabilitação de lesões e é indicado para os mais variados níveis de condicionamento físico. A versatilidade do TRX nos dá a oportunidade de desenvolver mobilidade corporal, estabilidade articular e força muscular nos múltiplos planos de movimento.

Restaurar a função é o objetivo da ortopedia e da fisioterapia esportiva. Isto é alcançado reajustando a biomecânica da região afetada através de reeducação muscular apropriada e treino de força muscular para permitir um retorno seguro às atividades físicas. O TRX permite um treino funcional e de grupos musculares sinérgicos da região acometida, ele permite exercícios serem executados em movimentos com padrão fisiológico e isso melhora a resposta cinética e proprioceptiva.

Estes princípios são instrumentos utilizados para atingir ótimos resultados na reabilitação. Ao permitir que o paciente mantenha total controle da resistência usada em cada exercício, o TRX promove uma atividade desafiadora e segura ao mesmo tempo na intenção de alcançarmos uma recuperação satisfatória.

 

CADASTRE SUA ACADEMIA NO BODY TICKET, E OBTENHA SUAS VENDAS ON-LINE. TUDO MUITO FÁCIL E SEGURO CONFIRA AQUI.

CADASTRE COMO ALUNO E OBTENHA DESCONTOS E VANTAGENS

ESCOLHA SUA ACADEMIA MAIS PRÓXIMA E ADQUIRE SUA MENSALIDADE PELO MENOR PREÇO EM NOSSO PORTAL BODY TICKET

Abdominal

Abdominais

Healthy Man Exercising Abdominals On Foor abdominal

Melhores abdominais

Confira o ranking dos 13 melhores abdominais.
Estudo revela quais são os principais exercícios na conquista da barriga tanquinho.
Se você deseja ter uma barriga tanquinho, mas não sabe em qual exercício investir ou qual abdominal será garantia de sucesso, chegou a hora da verdade. Uma pesquisa realizada no laboratório de biomecânica da Universidade de São Diego, nos Estados Unidos, avaliou os efeitos de 13 exercícios comumente praticados por quem quer esculpir os músculos da barriga e dar adeus à gordura localizada.

Os pesquisadores analisaram 30 homens e mulheres na faixa etária de 20 a 45 anos com uma técnica chamada eletromiografia – para identificar quais músculos estavam trabalhando e com que intensidade isso acontecia. Eles ainda avaliaram se os músculos que não deveriam ser solicitados estavam entrando no exercício e se haviam queixas dos participantes após a atividade. O fisiologista do exercício Raul Santo, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) faz a ressalva: “Antes de fazer o abdominal, é importante definir o número de séries e repetições junto a um profissional”. A quantidade será definida de acordo com o nível de preparo físico individual e ainda dependendo da intensidade do exercício. Uma boa avaliação anterior ao treinamento garante um treinamento eficaz e sem lesões. O resultado da pesquisa norte-americana é o ranking que você confere a seguir com os exercícios que mais ajudam a secar o abdômen. Invista neles para conquistar a barriga sarada.

Abdominal oblíquo

Não é à toa que esse abdominal é o campeão no quesito fortalecimento. Exercícios que exigem constante estabilização abdominal, como esse, são os que mais geram trabalho aos músculos abdominais. O fisiologista Raul Santo conta que o objetivo dos abdominais é fortalecer o músculo reto abdominal – que é o maior de todos -, os transversos e os oblíquos (internos e externos). O especialista conta que além de garantir o fortalecimento de todos esses músculos – já que é preciso estabilizar todo o abdômen – os músculos mais solicitados são os oblíquos, devido ao movimento de inclinação do tronco.

Para fazê-lo, deite-se no chão e certifique-se de que toda a sua coluna está bem apoiada. Coloque as mãos na cabeça e traga os joelhos até um ângulo de aproximadamente 45 graus e faça movimentos de como se estivesse numa bicicleta. Toque o joelho esquerdo com o cotovelo direito e depois faça o mesmo com o joelho direito e o cotovelo esquerdo. Alterne os movimentos sucessivamente.

Abdominal inferior

Esse é mais um exercício que exige a contração da musculatura abdominal o tempo todo. É por isso que ele leva a medalha de prata da barriga chapada. Para fazê-lo é necessário um aparelho para manter as costas totalmente apoiadas, mãos bem firmes e braços devidamente apoiados. Isso garante que você não force demais a coluna. A posição inicial é feita com as pernas esticadas. Em seguida, dobre lentamente os joelhos em direção ao peito. Controle o movimento e estique as pernas lentamente. “Esse exercício é bastante intenso e por isso o número de repetições deve ser menor”, conta Raul Santo. “Lembre-se de não afastar as costas do aparelho, o que pode causar sobrecarga e lesões”.

Abdominal na bola suíça

Quando o assunto é abdominal feito com aparelhos que você compra para usar em casa, a bola suíça é a melhor opção. Os músculos abdominais ganham tonicidade e força, quando você busca o equilíbrio sobre o acessório. No estudo, os pesquisadores descobriram que os oblíquos e reto abdominal são menos trabalhados em comparação com os dois exercícios citados anteriormente. Mas, como vantagem, eles encontraram uma menor atividade do reto femoral, músculo da perna que geralmente é indevidamente solicitado durante o abdominal. Isso gera um esforço desnecessário, tirando a força que deveria ir para os músculos da barriga.
Basta deitar em cima da bola – procure um acessório especial para a prática esportiva, outras bolas não oferecem resistência suficiente – e manter as pernas em num ângulo de 90 graus, com os pés apoiados no chão. Levante o tronco até sentir a barriga começar a queimar. Se ficar difícil de conseguir o equilíbrio, afaste mais os pés. O fisiologista Raul Santo lembra de um detalhe essencial ao fazer abdominais: solte o ar enquanto você faz o movimento e contrai o abdômen e inspire enquanto retorna para a posição inicial ou durante o repouso.

Abdominal com as pernas elevadas

Para manter as pernas para cima é preciso deixar o abdômen bem contraído. E na hora de flexionar o tronco a contração aumenta ainda mais. Para fazê-lo, deite-se com a coluna lombar bem apoiada no chão. Vale colocar as mãos sob a coluna lombar para dar apoio, principalmente se você tiver desvios posturais nessa região. Estenda as pernas para cima, cruze os joelhos, mantendo uma suave flexão, e contraia o abdômen levantando o tronco em direção aos joelhos. Lembre-se de manter o queixo longe do peito.

Segundo o fisiologista Raul, esse tipo de abdominal impõe uma carga maior ao abdômen porque, com a retirada dos pés do chão, o peso das pernas acaba recaindo sobre a barriga. O especialista lembra ainda que caso o joelho não seja flexionado durante o exercício, o músculo ílio-psoas, que tem origem nas vértebras lombares e passa pela frente do quadril, pode tracionar demais a coluna, aumentando o risco de lesões.

Abdominal com braço estendido

Raul Santo conta que quando você estende os braços sobre a cabeça, é como se colocasse um peso contrário à flexão do tronco. Isso aumenta a carga imposta à musculatura abdominal, tornando o exercício mais difícil. Outra vantagem desse exercício é que ele trabalha os músculos peitoral e grande dorsal – que fica na região da coluna torácica. Para fazê-lo, basta esticar os braços sobre a cabeça (como na foto) e realizar a flexão de tronco como se fosse um abdominal tradicional, mantendo sempre a mesma angulação dos membros superiores em relação à cabeça.

Torso Track Machine

Sabe todos esses produtos que você vê sendo vendidos na televisão? O torso track machine é um deles. Ele é o campeão entre os abdominais feitos com aparelhos e simula um exercício de Pilates. Os músculos da barriga mais favorecidos com a movimentação são o reto abdominal – que fica na região frontal do abdômen – e os oblíquos, que ficam na parte lateral. Porém, as vantagens desse treino são ofuscadas pelo desconforto na região da coluna lombar, relatado por um número significativo de pessoas que usaram o equipamento. Para realizar o exercício, você apoia os joelhos num suporte específico e desliza o tronco para frente, em direção ao chão. E depois, com a força da musculatura abdominal, volta à posição inicial (postura de gato no chão).

Abdominal invertido

“Um abdominal invertido define o abdômen de três maneiras diferentes: exige dessa musculatura a estabilização corporal; aumenta a carga imposta, já que retira o apoio dos pés; e pela movimentação em si”, conta Raul Santo. Ao deitar no chão, lembre-se de manter a coluna completamente apoiada. Você pode deixar seus braços ao lado do corpo ou atrás da cabeça. Cruze as pernas na altura do tornozelo e levante os pés do chão. Nessa posição, contraia o abdômen à medida que você sente sua coluna lombar indo contra o chão e flexione as pernas sobre o tronco.

Abdominal com elevação do quadril

Esse abdominal é feito da mesma maneira que o abdominal com as pernas para cima, mas, quando a perna sobe, você levanta o quadril do chão. O movimento deve ser curto e rápido, apoie as pernas no chão depois de cada subida. “Esse exercício é indicado para quem quer fortalecer a porção inferior do abdômen, a popular ‘pochete’ “, conta o educador físico Daniel Lopes, personal trainer da academia Cia. Atlhetica de São Paulo.

Ab roller

Apesar de não estar entre os melhores abdominais, esse aparelho tem lá suas vantagens. “Eles incentivam o exercício e promovem um melhor alinhamento postural durante o exercício”, conta o educador físico Daniel. “O problema está na evolução limitada, já que a pessoa pode acabar ajudando o exercício com o braço, e o aparelho pode ainda acabar facilitando o treino”.

Ponte abdominal

Também chamado de prancha no chão, esse é um bom exercício para quem quer definir o abdômen. “Isso acontece porque você tem que manter a coluna numa posição neutra, não pode deixar o quadril descer, e, para conseguir isso, é preciso fazer muita força com o abdômen”, conta o educador físico Daniel. “Além de fortalecer a musculatura abdominal, você trabalha a musculatura mais profunda, chamada de músculos do core”. Para fazer o exercício, você assume a posição de uma flexão de braços, apoiando apenas as pontas dos pés e os antebraços e se mantém nela por alguns segundos (aproximadamente 15), de acordo com o seu preparo físico.

Abdominal tradicional

Ele é feito deitado no chão e com a barriga voltada para cima. Você inclina o tronco para frente e trabalha principalmente a região do músculo reto superior. Mas por que o abdominal mais conhecidos de todos figura quase no fim da lista? “Um dos princípios do treinamento esportivo é a variabilidade”, conta Daniel Lopes. “Ao fazer um abdominal tradicional você apenas flexiona o tronco – uma ação comum dessa região”. Isso mostra que fazer um treino com variações é mais vantajoso. Fazer o abdominal na diagonal, por exemplo, complementa o treino e trabalha a região lateral da barriga.

Abdominal com elástico

Ao segurar nas mãos uma faixa elástica presa a um lugar fixo, você está teoricamente adicionando resistência à musculatura abdominal. Mas Daniel Lopes conta que muita gente acaba fazendo força demais com os braços, desperdiçando a força que deveria ser dedicada ao abdômen. Por esse motivo, segundo o estudo, é mais vantajoso fazer um abdominal tradicional, sem elástico.

Ab Rocker

Essa cadeira, que induz a flexão do tronco sobre o quadril, foi o método menos eficiente no fortalecimento abdominal. O personal Daniel Lopes explica que o aparelho é até interessante, já que possibilita um bom posicionamento e um bom trabalho muscular, mas acaba ficando fácil de mais com o tempo, pois não permite variação de carga ou treino. “Outro ponto é que o perfil de quem compra esse aparelho é o da pessoa que não tem costume malhar, o que aumenta a chance de erros que se tornam crônicos e de lesões”, completa.

CADASTRE SUA ACADEMIA NO BODY TICKET, E OBTENHA SUAS VENDAS ON-LINE. TUDO MUITO FÁCIL E SEGURO CONFIRA AQUI.

CADASTRE COMO ALUNO E OBTENHA DESCONTOS E VANTAGENS

ESCOLHA SUA ACADEMIA MAIS PRÓXIMA E ADQUIRE SUA MENSALIDADE PELO MENOR PREÇO EM NOSSO PORTAL BODY TICKET